sábado, 25 de março de 2017


FALECEU O ARMINDO

 Como administrador deste "Blog", cumpro o dever de participar a todos os nossos camaradas e seguidores o falecimento, do Armindo/SPM, vitima de doença prolongada.
 De nome completo Armindo Gouveia da Costa, nr. mecanográfico 05586869, tinha a especialidade de Reconhecimento de Infantaria, mas todos nós o conhecíamos pelas funções que desempenhava no SPM. Por ele passava toda a correspondência que nos enviavam, e era vê-lo apressado em fazê-la chegar até nós no mais curto espaço de tempo. Além do zelo com que desempenhava o seu serviço, o Armindo, era um amigo que esteve sempre presente, enquanto pode, nos convívio anuais que realizamos, sempre com uma simpatia enorme, digna das pessoas boas.
O seu corpo encontra-se em câmara-ardente na igreja da Vila das Aves, sua terra natal, onde as últimas homenagens lhe poderão ser prestadas e o funeral realiza-se amanhã dia 26, (Domingo) pelas 17 horas.
À sua família e amigos mais chegados, apresentamos as nossas condolências e a nossa imensa tristeza pelo seu desaparecimento. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016



NATAL




QUE A PAZ E A HARMONIA FESTEJADAS NO NATAL ESTEJAM PRESENTES EM TODOS OS DIAS DO NOVO ANO. BOM NATAL E BOAS FESTAS, SÃO OS VOTOS DO NOSSO BLOG PARA TODOS OS NOSSOS CAMARADAS E SEGUIDORES.

domingo, 6 de novembro de 2016



C.T.T.

Os Correios, mais vulgarmente conhecidos pela sua sigla CTT, prestam um serviço de envio de documentos e embalagem entre um remetente e um destinatário, que podem estar em localidades muito distantes entre si. Em todos os países existem serviços idênticos. 

Os primeiros serviços organizados, para o efeito, remontam a 2400 anos A.C.. Os egípcios no século XII A.C. já tinham um serviço permanente de correios, através de mensageiros. Com o decorrer do tempo outras civilizações foram alterando os seus métodos, tornando-os cada vez mais eficientes. Os Cretenses e os Fenícios foram os primeiros a utilizarem pombos e andorinhas.

Em Portugal, o Rei D. Manuel I, em 1520, criou o primeiro serviço de Correio Público e o cargo de Correio-Mor. No entanto, este cargo foi extinto pela Rainha D. Maria I em 1798.

Na cidade de Henrique de Carvalho, pela sua importância em termos Provinciais, existia uma estação dos C.T.T., conforme a foto que apresentamos. Todavia, as Forças Armadas Portuguesas tinham um serviço postal próprio, pelo que pouco dependíamos de tal entidade. Servíamos-nos, sim, dos seus serviços telefónicos e telegráficos, pois além da componente postal também administravam a rede dos mesmos. 

Estação dos CTT de Henrique de Carvalho
Impresso de Notificação com marca do dia
Telegrama com marca do dia

Fonte consultada: Wikipédia, a enciclopédia livre
Foto do edifício: Internete
Foto dos impressos: Do meu baú de recordações



sábado, 29 de outubro de 2016

quarta-feira, 26 de outubro de 2016


ESCRITURÁRIOS

Estes eram os homens das canetas e das esferográficas. Tinham uma especialidade que todos aqueles que pretendiam uma vida, militar, mais calma desejavam. Pelas funções que desempenhavam, praticamente, estavam livres de serem operacionais. Na nossa companhia era vê-los pelas várias secretarias: da Companhia, do Comando, das Operações, etc, etc.

A sua formação, depois da recruta, era feita em Leiria, no Centro de Instrução Nacional de Amanuenses, antigo RAL4, integrando a seguir, na sua maioria, as várias Unidades que eram mobilizadas para o Ultramar.

Na foto que se apresenta, em baixo, não está presente o Furriel Frutuoso que tinha a especialidade de Amanuense, por não possuirmos qualquer foto sua. O último em baixo, à direita, não pertencendo à nossa Companhia desconhecemos o seu nome.
  
Em pé: Raul, Pinto, Relvas e Reis (Falecido)
Em baixo: Antero, Freitas(Murça), Adrião e ???????

Foto enviada por Raul




UMA DÚVIDA???????????

Que pretendem mostrar estes nossos amigos? Dotes futebolísticos ou as suas belas pernas para o efeito??????

Raul, Roque (PAD) e Serrão (Pel. Morteiros)


Foto enviada pelo Raul

segunda-feira, 24 de outubro de 2016



 
"PARA ANGOLA RAPIDAMENTE E EM FORÇA"


Foi esta a frase que Oliveira Salazar transmitiu ao País, após o primeiro ataque, em Luanda, feito por "Movimentos de Libertação" contra a Administração Colonial Portuguesa naquela cidade. Tal acontecimento marcou o início da Guerra Colonial. A seguir situações idênticas aconteceram em Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde. Esses movimentos viriam a ser apoiados por várias potencias internacionais. Tal conflito, que durou durante treze anos, provocou nas nossas forças 8803 mortos e 15507 portadores de deficiências várias;

MORTOS:


ANGOLA

1961/1974

3423

MOÇAMBIQUE

1964/1974

3099

GUINÉ – BISSAU

1963/1974

2281


Fontes:   “Correio da Manhã

                 ROINES XXI